segunda-feira, 28 de abril de 2014

E não passou

Não sei, mas senti vontade de escrever sobre mim hoje. Senti vontade de falar sobre meus anseios, sempre de poeta e poesia. Anseios esses que se resumem num único fim: ser feliz. Auto-explicativo, nem tenho mais palavras, tenho disso, vontade de falar "segredos de liquidificador", mas vontade é quase sempre coisa que dá e passa...
Vivian Pinto

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Síndrome da Esfinge

Aqui na minha cidade tem uma garota. Uma garota comum. Bem comum. Que sonha com o príncipe mesmo já tendo passado por um sapo e mais alguns anfíbios que ela tanto odeia e prefere evitar. Que adora comer chocolate e odeia engordar. E odeia espinhas. Eu já falei que ela odeia engordar? Pois é, ela odeia. Ah sim, essa menina lê muito, tipo, demais mesmo. Lê tanto que gostaria que os personagens favoritos dela fossem de verdade. 
Você também gostaria? Pois é, quase todos que curtem um livro gostariam. Eu disse que ela era comum. 
Ela é uma menina tímida, insegura, introvertida, sonhadora e indecisa. Como ser tímida e introvertida ao mesmo tempo não é pleonasmo? Calma, eu vou te explicar. 
É que, além de ser tímida, não é pra todos que ela se mostra. Apesar de conhecer muitos, nem todos a conhecem bem. Ela tem medo de mostrar seus defeitos e de ninguém ver suas qualidades, que podem até ser muitas, mas ela não vê. Ela é aquela típica menina que se acha misteriosa, mas tá louca pra alguém chegar com a solução pra charada que ela é, até pra si mesma. Talvez até apenas para si mesma. Sabendo mais sobre ela, você vai ver que cada coisinha mínima que ela tem de diferente a torna especial. 
Você sabia que ela só bebe Nescau se for com leite em pó? 
Ou que ela gosta de menta mas odeia hortelã? 
Pois é, não sabia. Você só sabia da aparência de menina comum. Porque é isso que ela é, ela é comum. 
Não, ela não tem um perfil de devoradora, mas querer saber mais sobre ela vai te consumir, eu sei que vai. E nessa aparente normalidade é que ela te desafia: tenta me conhecer, tenta enxergar dentro de mim, ou "decifra-me ou te devoro".
Vivian Pinto
Quem souber o nome e o autor da pintura, agradeço, porque não lembro kkk
Beijos rimados pra vocês :*

quinta-feira, 10 de abril de 2014

Crime

Errar é tido como crime, e, como todo crime, é difícil de ser admitido.
Sempre ouvi dizer que, quando a gente erra, é mais difícil admitir o erro pra nós do que pro alvo do nosso erro. Ao longo do que eu vivi (sendo pouco ou muito, depende de quem julga), percebi que não é tanto isso. Quando a gente erra, sabe que errou. Pode até ser que não externemos isso, mas a gente sabe que errou, e aquilo incomoda. O sentimento que o erro provoca pinica a mente, e até por isso sabemos que algo errado aconteceu. Quando esse erro é percebido, nós tentamos cegamente desabafar com alguém, contar o que houve, mostrar que sabemos da nossa culpa, e aí todo mundo paga o pato. Daqui a pouco quase o mundo inteiro sabe que você errou, menos uma pessoa: a pessoa com quem você errou. Porque pra ela sim é difícil admitirmos sinceramente o erro. E tudo que buscamos é seu perdão, e, se conseguimos, só aceitamos quando nós mesmos nos perdoamos. Mais difícil que admitir para si mesmo o erro é entender que errar é humano. Perdoar a si mesmo parece mais com um crime inafiançável.

Vivian Pinto

Quantas saudades!!! Voltei, voltei LALALA
Beijos rimados pra vocês :*