sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Passagem de som


Não entendo minha cabeça, que dá voltas e mais voltas e continua não sabendo o que pensar.

Eu não entendo você, que alega que eu sou tão importante, mas mesmo assim decide não ouvir. Eu não entendo você, que diz que quer melhorar mas não aceita ajuda. Eu não entendo você, que acha que as regras são diferentes. Eu não entendo você que também não quer me entender. Que não dá a mínima pra tudo que eu vivo falando e repetindo.

Eu não entendo a mim, que to sempre repetindo a mesma coisa sem ser ouvida.

Eu não entendo você que não liga, que me deixa fechar a porta do carro e ir embora. Por que você me deixou ir embora?

Por que você não olhou pra trás?

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Tempos Escuros


"A parte chata de crescer é ter que pensar ao ponto de não saber no que 'acreditar', tudo fica mais sério e são mais raros os momentos mágicos. Eu mesma não sei o que pensar agora, mas sei que são esses momentos especiais que fazem as coisas valerem à pena.  Por isso mesmo eu tento recriar aquele mundo que era só meu e era tão confortável. A questão é achar um equilíbrio e mantê-lo, e cada vez mais eu acho que esse equilíbrio é o próprio surto, a própria cabeça, a própria loucura, o próprio mundo, e é pra lá que eu quero te levar, são essas peculiaridades que eu quero te mostrar, você vem?"

Texto perdido no meu bloco de notas, em um tempo distante em que minha vida não estava tão agradável pra mim. Tempos escuros, tempos distantes...
04.02.2013

sábado, 23 de agosto de 2014

Lembrar com carinho

Dizem as más línguas (certas elas, que me conhecem mais fundo) por aí que tenho alma de gente velha.
Pois bem, hoje fiz (e estou fazendo) uma coisa que gente mais velha costuma fazer mais do que gente da minha idade: nostalgiar. Quem convive sabe que sou assim, gosto de relembrar, ler de novo, sentir outra vez. E também sabe que, com isso, começam minhas filosofias de botequim, porque sim, eu gosto de pensar demais, de vez em quando me faz bem.
Vejam só, eu já enrolei tanto meu pensamento que o post começou com uma intenção e quaaaaase perdeu o rumo. Mas vamos lá. Nostalgiando nos blogs da minha vida eu lembrei em como era ser blogueiro antigamente. Quando comecei com blogs a moda era indicar selinhos e fazer quizes, que nem hoje em dia em que os vlogueiros fazem TAGs.
Não sei se posso dizer assim, mas ao meu ver tinha mais gente na blogosfera, talvez fosse moda ter blog. Só sei que, mesmo sendo "muitos", éramos uma família. Fiz no "Não sei, só sei que foi assim" amizades que espero levar pra sempre. Alguns começaram inspirados pelo mesmo blog que eu, outros voltaram na mesma época, outros voltaram agora... E uma querida amiga em especial é minha escritora favorita, e é uma pena que não tenha mais blog.
Parece que, com o tempo, a vida corre. As palavras não nos deixam, mas correm junto. Estranho né? Lembro com muito carinho daquela época em que a vida corria menos. E mesmo naquela época eu já reclamava que o tempo passa rápido. Não sei se eu gostaria de voltar no tempo, provavelmente não. Mas eu certamente voltaria com algumas coisas.
Como é bom ter boas coisas pra lembrar, boas histórias pra contar e ter estrada pra viver...

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Até quando?

Há dias que tento escrever, mas nada me vem na cabeça. Na vida nem tudo é sempre igual, nem tudo é sempre perfeito. As coisas andam meio confusas na minha cabeça. Pode ser a tpm chegando, pode ser falta de sono, pode ser que eu esteja pensando demais, ou podem apenas ser vários "se" na minha mente.
Ou vários "até quando".
Até quando você vai ficar sem saber o que quer da vida? Até quando Até quando você vai aturar o fato de eu não poder sempre acompanhar? Até quando, até quando, até quando... Dizem que pensar demais é ruim também, não sei.
Não sei de muita coisa nessa vida, é verdade. Mas ando meio insegura. Sempre os "até quando"... !
Até quando você vai ficar bem com uma menina que sabe que a vida pode não ser um mar, mas tem quase certeza que ela é de rosas?

É verdade que o texto fica confuso quando minha vida está meio de pernas pro ar, mas se reinventar nem sempre é ruim. Está tudo confuso agora, mas as coisas vão melhorar. Eu ainda acredito no mar que a vida é, e acredito que existam rosas espalhadas por aí.

sábado, 9 de agosto de 2014

Sobre ser só

Estranho esse tal de ser humano. Somos, comprovadamente, seres sociais. A não ser que a pessoa possua algum tipo de desordem psicológica, ela não sobrevive só. Nosso cérebro tende a "pifar" sozinho. E mesmo assim existe tanta resistência em conhecer gente de verdade, em se doar, e em conhecer quem se doe.
Venho lendo muitos textos, tanto em blogs quanto em outros locais, o quanto entristece a solidão. Algumas vezes a pessoa nem está só por completo, leva consigo uma ou duas pessoas especiais, com quem conta sempre, mas na maioria dos momentos do dia e da vida, sente-se só.
Confesso que sou uma vergonha pra classe, já que quase nunca eu sei o que dizer a estas pessoas. Eu sei que elas sofrem com a solidão, eu sei que faz mal a elas, mas o que dizer? Como ajudar a pessoa a melhorar? É muito complicado consolar uma pessoa que tem algum problema, porque nunca sabemos como ela sente a vida. É claro que a pessoa diz como se sente, é claro que a gente se esforça em ajudar, mas só quem tá dentro da situação sabe como ela é. Não é preguiça, de verdade, é falta de tato da minha parte, fala de competência.
A questão é que não sei como consolar uma pessoa que passa pelo mesmo que eu passo, mas que lida de maneira diferente. Não to aqui pra me fazer de sofredora e nem pra dizer que sou melhor que ninguém. Muito pelo contrário, ás vezes eu até estranho meu comodismo com a situação. Claro que solidão machuca, e que como todos que se sentem sozinhos, às vezes tudo que eu queria era alguém que entendesse quando eu respiro diferente, mas acontece que eu sempre fui tão introspectiva que acabei até me acostumando em ser minha própria ouvinte.
Hoje em dia são poucos os que estão dispostos a entender uma pessoa, aceitá-la do jeito que ela é, ter paciência e se doar pra ela mesmo assim, conhecendo esse Eu tão profundo que habita as profundezas de cada um de uma tal forma que ás vezes nem a própria pessoa sabe que existe. Acho que ficou muito confuso... Mas é a única maneira que eu tenho pra explicar.
Sou tão confusa comigo mesma que só tenho a agradecer pelas pessoas que eu tenho na minha vida, que estão dispostas a me amar e me aceitar como sou. Até por isso é tão difícil consolar você, que agorinha mesmo se sente só, porque meu consolo seria: eu sei que são poucas as pessoas que te querem tão bem quanto você quer o mundo, mas valorize-as. Quando você menos perceber, seu coração estará tão cheio de amor que você não vai mais se sentir só. Não posso prometer que não haverão dias ruins, mas é preciso conhecer o escuro pra reconhecer a luz. Enxergue sua vida de maneira mais doce, você com certeza não está tão sozinho quanto pensa.
Se a Poesia sempre esteve comigo, ela está com você também.




quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Nem tudo tem motivo

Título auto explicativo. Pois é, nem tudo tem motivo.
Você escolhe como lida com suas escolhas, eu escolho como lido com as minhas, no fim do dia é a nossa própria consciência que pesa. Mas eu gostaria de saber o motivo de certas escolhas e certas atitudes. E certas reações também.
Se eu escolho como lido com as situações, minha escolha de hoje é questionar. Por que eu fiz isso? Não sei. Por que você faz isso? Gostaria de saber.
Mas, como nem tudo na vida tem explicação, eu continuo a questionar. Quem sabe um dia eu arranjo solução?

sábado, 2 de agosto de 2014

Ahava





Apesar da minha timidez e de defender ferozmente que nosso amor é nosso, e que nós é que temos que sentir, hoje eu quis escrever sobre você. A maior parte desse texto nem é meu, já que eu tirei de um fonte que sabia explicar muito melhor que eu o que Ahava é. Mesmo assim eu quis falar de você, escrever pra você:

" 'Ahava' é um afeto profundo, o desejo de estar tanto com alguém que dói no seu coração. “Ahava” é quando sua mente e seu coração se voltam para o seu amante com tal paixão e intensidade que você não pensa em mais nada. (...) Os amantes afirmam no Cântico dos Cânticos que 'ahava' é forte como a morte, que muitas águas não podem apagar o 'ahava'. 'Ahava' é o amor da determinação. Muito mais profundo que sentimentos românticos fugazes. Muito mais que anseios temporários. 'Ahava' é tomar a decisão de unir a sua vida `a de outro. Essa é uma emoção que leva ao compromisso, que o leva a unir a sua vida `a vida de outra pessoa. 'Ahava' é o que faz tudo perdurar."

Por isso resolvi escrever sobre nós, porque nós sabemos de nós dois. Justamente por nosso amor ser nosso, por sermos o que somos, por sentirmos o que sentimos. Porque eu protejo tanto seu nome. Porque você é que fez o Ahava acontecer na minha vida, se é que eu posso falar assim. E porque eu espero que sejamos Ahava eternamente, sem medo de errar.
Te amo.

FONTE: http://www.vidanapalavra.com/chama/