segunda-feira, 27 de abril de 2015

Agora operante

Quando a gente aprende alguma coisa, ficamos tão presos naquela coisa nova que esquecemos que temos tantos algos a mais pra conhecer.
Aprendi que não sou nada no meu tudo, e, por enquanto, é isso que martela noite e dia na minha cabeça.
E é verdade, agora.
Daqui a pouco eu talvez aprenda algo novo e essa condição de nada passe.
Por enquanto, porém, ela opera.

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Puberdade atrasada

Quando me diziam que crescer era difícil eu pensava "bobagem, vou tirar de letra!"
Mal sabia eu que todo dia é um crescimento, e tem vezes que é difícil passar por certas coisas, ouvir certas palavras, ser tratada de certas maneiras...
Não sei o que sou, nem pra mim, nem pra você, nem pra vida, nem pra ninguém. O que eu sei é que algumas coisas eu não quero ser.

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Temporada aberta

Não se pode esperar que as pessoas façam as coisas do jeito que você faria. Não se pode esperar atitudes que você teria.
Sempre me foi dito isso, mas a gente teima em achar que, por mais diferente que a pessoa seja, ela vai ser igual. Isso faz algum sentido? Já não sei mais. Sei que prometo a mim a mesma coisa sempre: que vou agir como você, devolver o silêncio, devolver o não saber. Parece não adiantar, parece que ninguém percebe, só eu. Não adianta ser espelho. Porém, já sabendo que é errado (e que dará errado), declaro:
-Que comece a temporada infame de tentar ser uma não-eu.