segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Bêbada


Dizem por aí que "bêbado fala a verdade", pois bem, até que ponto isso é real?
Tenho andado meio bêbada. Não me entenda mal, não é sempre, nem todo dia, mas acontece, e aí as situações me parecem meio diferentes, o ponto de vista muda. Não é sempre que eu bebo tanto assim meus sentimentos, e me afogo em mim. Até que ponto sentimentos e emoções distorcem a realidade?

domingo, 8 de janeiro de 2017

Prosopopeia


Tudo que é conversado vira hipérbole, as pessoas à minha volta só se expressam em metáforas, sem perceber o quanto soam paradoxos. Quanto mais o tempo passa, mais a vida se torna Metalinguagem. 

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

ano novo, vida (nem tão) nova


Todo começo de ano é a mesma coisa, eu aqui lembrando de você, uma realidade tão distante... Porém aqui dentro, tão viva dentro de mim. A habilidade não é mais a mesma, confesso, mas "o fogo que arde sem se ver" nunca foi tão real pra mim, e nem é metanol (clique aqui para entender a piada idiota). É como se meus dedos estivessem atrofiados, eu penso uma coisa, sai outra, não me expresso tão bem quanto eu queria, não rimo mais como conseguia. Mas não, não culpo a poesia. Eu me culpo, na verdade, eu tenho sido uma amiga ruim, eu que tenho abandonado isso que era tão presente em mim. Eu diria que ainda é, mas não tenho certeza. A gente muda, a vida muda a gente, e, mesmo assim, eu sinto a Poesia comigo, eu sinto quando eu estou triste e não consigo me expressar verbalmente, mas me expresso com meu coração. Eu sinto quando eu estou feliz, e meu coração sai de mim pra flutuar por aí. Eu sinto agora, escrevendo coisas que não necessariamente rimam, eu A sinto em tudo, eu A vejo em alguns, eu sei que Ela nunca saiu de perto de mim, eu é que me afastei Dela. Não sei se tem volta, a Poesia é caprichosa, mas talvez haja um recomeço. Feliz 2017, e desculpa por ter demorado tanto assim.